BEM VINDO! Aviso á tripulação! Aqui inicia-se mais um blog neste oceano tão vasto que é a Blogoesfera.Aqui irão ser trazidos e comentados varios assuntos que acho que sejam de salientar. Sintam-se á vontade para participar ,falem bem ou falem mal mas falem Então apertem os cintos.Vai-se iniciar a viagem. .

09/10/2009

Pai que abusou da filha menor condenado a pena suspensa


Cinco anos de prisão com pena suspensa foi a sanção aplicada pelo Tribunal de Paredes a um homem que abusou sexualmente da filha de 11 anos. António S. ficou ainda inibido do poder paternal pelo mesmo período de tempo, o que na prática o impede de ver e contactar com a filha durante este período de tempo. A sentença foi lida na manhã de ontem na ausência do arguido que, neste momento, se encontra a trabalhar na construção civil, em Espanha.

O tribunal deu, assim, como provados os dois crimes de abuso sexual de que o arguido vinha sendo acusado pelo Ministério Público e ainda transformou uma outra acusação de coacção sexual em abuso sexual.

O caso remonta ao Verão de 2007. Nessa altura, mais precisamente, a 3 de Junho, um trolha de 38 anos, após uma conversa de cariz sexual, seguiu a filha, que nesse dia celebrava o 11º aniversário, até ao quarto, onde a molestou sexualmente. Dois meses depois, aconteceu novo abuso sexual. "O arguido entrou no quarto da filha quando esta se encontrava a dormir e introduziu-se na cama", acusou o Ministério Público.

Nestas duas ocasiões, pai e filha estavam sozinhos em casa, tal como a 27 de Setembro do mesmo ano. Na ocasião, a menina estava, ao final da tarde, a fazer os trabalhos de casa quando o pai lhe pediu para apalpar as "maminhas". "A menor negou e foi atirada ao chão e apalpada pelo pai", descreveu o procurador responsável pelo caso. Em seguida, o homem masturbou-se em frente à filha.

Durante o julgamento, o trolha de Paredes não confessou, mas também não negou os crimes, afirmando sempre não se lembrar de nada. Tal situação levou o tribunal a pedir um exame psicológico ao indivíduo, que comprovou que o homem de 38 anos era imputável, mas com algumas limitações cognitivas. A realização deste exame prolongou o julgamento, que se realizou sempre a coberto da exclusão de publicidade. A advogada de defesa, Sandra Martins, vai analisar o acórdão e só depois decidirá se vai recorrer.

Enquanto a lei proteger situações deste nivel em que um Pai destroi a vida á propria filha e fica em liberdade com a possiblidade de passados 5 anos tornar a estar novamente em contacto com ela, cada vez menos pessoas vão confiar na justiça e apresentar queixas.Ja se esta por aqui a ver qual vai ser o desfecho do caso Casa Pia.Qualquer dia começa a agir a justiça Popular ja que a dos tribunais ja se viu que não resolve.

Sem comentários:

Publicar um comentário