BEM VINDO! Aviso á tripulação! Aqui inicia-se mais um blog neste oceano tão vasto que é a Blogoesfera.Aqui irão ser trazidos e comentados varios assuntos que acho que sejam de salientar. Sintam-se á vontade para participar ,falem bem ou falem mal mas falem Então apertem os cintos.Vai-se iniciar a viagem. .

12/12/2009

Bruxelas Street

Sintra mais propriamente o Cacem torna a ser notícia pela criminalidade levada a cabo por gangs de jovens Africanos.
Desta vez raptavam jovens á saída da escola levavam-nos para um ferro velho onde eram agredidos com extrema violencia e torturados com requintes de malvadez durante horas,assim iam atormentando a população de Agualva,tentando controlar as ruas com a lei do terror.Na sua pagina no Hi5 apregoam a violencia e exibem fotos onde mostram dinheiro, facas, fazem gestos obscenos e dizem-se donos da rua,deve ser efeito dos videos do Sam The Kid.Seis elementos do suposto gang ja foram apanhados ficando quatro em prisão preventiva e dois por serem menores soltos.Estes 2 ultimos por serem menores ficarem soltos é que não concordo se são adultos para praticar certo tipo de crimes tambem devem levar com a lei como se fossem adultos.
Agora que venham os puritanos dizer que ,coitadinhos dos minorias etnicas que lutam arduamente para se integrarem na sociedade e que nos somos racistas e tal.Um facto é que eles se estivessem na terra deles não praticavam este tipo de crimes porque tinham medo ca em Portugal como sabem como o sistema funciona andam á vontade,é mudar o sistema.



Gang do Cacém torturava jovens
Bruxelas Street tem página na internet. Em pouco mais de um mês, grupo raptou, ameaçou e agrediu pelo menos 12 rapazes para marcar território.


Sequestravam e torturavam jovens que apanhavam na rua, alguns à saída da escola. Ameaçavam-nos e levavam-nos para um ferro-velho abandonado, na rua da Murta, em Agualva-Cacém, Sintra. Faziam--no sem razão aparente. Queriam marcar território, mostrar que eram os mais fortes e que todos lhes deviam obediência. As vítimas eram escolhidas ao acaso e o gang nem sequer tinha como móbil o roubo. Apenas a violência extrema, já que há vítimas que foram queimadas com cigarros ou paus em brasa e outras esfaqueadas em várias partes do corpo com 'requintes de malvadez'.

Quatro dos líderes do autodenominado Bruxelas Street – por actuar junto à rua Cidade de Bruxelas – estão já em prisão preventiva. Outros dois foram libertados por serem menores e serão agora submetidos a outras medidas não preventivas da liberdade. Há ainda alguns a serem investigados, estando a PJ a recolher prova para avançar para identificação dos restantes.

As histórias de violência são extremas. Há rapazes apanhados na rua e levados para um ferro-velho. Aí, foram espancados, insultados e queimados. Recorreram ao hospital e acabaram por revelar as agressões. Os autores foram identificados e os considerados líderes detidos.

Segundo o CM apurou, Bruxelas Street é o nome do gang composto pelos suspeitos. Na internet – têm uma página na rede social Hi5 – apregoam a violência. No símbolo que ostentam é visível uma caçadeira e uma planta de haxixe.

São muitas as fotografias do grupo que estão acessíveis ao público em geral. Mostram dinheiro, facas, fazem gestos obscenos. Trocam mensagens entre si, garantindo que são os donos da rua. E que matam se alguém lhes fizer frente.

A PJ acredita que muitos destes indivíduos ainda estão a monte. No entanto, dada a violência, foi necessário avançar imediatamente para a detenção dos que são tidos como líderes.

A Judiciária acredita também que serão mais do que 12 as vítimas do gang. Mas o medo terá evitado que apresentassem queixa.

'TERRENO TEM CASA EM RUÍNAS E MUITA SUCATA'

Na rua da Murta, Agualva, Sintra, o CM encontrou testemunhos da 'grande afluência de rapazes' a um terreno, 'abandonado há anos', propriedade de um morador em Odivelas. 'Passam a noite a fumar droga e a insultar pessoas', disse ao CM uma moradora. Situado perto de um jardim infantil, o terreno usado pelo gang Bruxelas Street tem 'uma casa velha em ruínas e muita sucata'. Apesar de ninguém saber de roubos violentos a menores, todos viram a Polícia Judiciária, 'de segunda a quarta-feira, a fotografar e a medir o terreno'.

PORMENORES

CLIMA DE MEDO

Na zona, em Agualva, era visível o clima de medo na população escolar e nas suas famílias. Todos temiam ser alvo do grupo. Nos casos mais graves, a tortura prolongava-se várias horas, com as vítimas mantidas em cativeiro.

VÁRIS CRIMES

Os detidos foram indiciados por vários crimes de sequestro, ofensas à integridade física agravada e roubo. A PJ está a tentar identificar mais membros do gang.

Sem comentários:

Publicar um comentário